sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Êxodo 20: 12 - o quarto mandamento

- Continuando, amigo Moisés. Porque sei bem o que digo e sempre falo por experiência muito própria, hehe, HONRA SEMPRE TEUS PAIS E MÃES! *smiley*
- SENHOR, porque estás com linguagens internéticas?
- Faz tudo parte, faz tudo parte... hehe *smileyzaço*

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Êxodo 20:8-11 - o terceiro mandamento



Ainda Moisés esfregava o queixo e já o SENHOR se preparava para ditar outro mandamento, apascentando-se de um lado para o outro com as mãos atrás das costas e com as costas à frente das mãos e com as costas nas mãos - porque o SENHOR estava em todo o lado.

Moisés estava a ficar mal-disposto.
- Moisés, - falou o SENHOR vendo sinais de um vómito - lembra-te do dia de Sábado, para o santificar.
- Sim senhor, SENHOR! Vou apontar na agenda para...
- Não, imbecil! LEMBRA-TE DO DIA DE SÁBADO, PARA O SANTIFICAR! PARA O SANTIFICAR, MOISÉS! SANTIFICAR!

Moisés piscou os olhos e vendo as sobrancelhas do SENHOR ficando cada vez mais próximas uma da outra apercebeu-se que não estavam a falar dos compromissos divinos. Moisés sorriu. «Lembra-te do... dia... de... sá...ba... » - Moisés parou de morder a língua e interrompeu a transcrição.
- SENHOR, não quereis dizer Domingo?
- Moisés, pá, Sábado, Domingo... o que interessa é que seja fim-de-semana.
«Agora já nem nos fins-de-semana temos descanso...», pensou Moisés enquanto o SENHOR limpava o pó dos sapatos com a sua túnica.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Èxodo 20:7 - o segundo mandamento

- Não invocarás o meu nome em vão - mandou o SENHOR.
- Como, SENHOR? - retorquiu Moisés.
- CALA-TE! Já te disse para não invocares o meu nome em vão!
- Ai, MEU DEUS!...
O SENHOR lançou sobre Moisés um olhar colérico, que imediatamente o silenciou.
A medo, exasperado e sabendo que pendia sobre si a ira divina, Moisés perguntou então ao SENHOR como queria Ele ser tratado.
Impaciente, agarrou o SENHOR firmemente Moisés pelo queixo, explicando-lhe pausadamente:
- Na dúvida, deves referir-te a mim como "Você-Sabe-Quem" ou "Quem-Nós-Sabemos" ou ainda "Aquele-Que-Não-Deve-Ser-Nomeado" ou então "Aquele-Cujo-Nome-Não-Deve-Ser-Pronunciado".
E logo então entendeu Moisés perfeitamente o segundo mandamento.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Êxodo 20: 3-6 – o primeiro mandamento

– Não terás outros deuses diante de mim. - Disse o SENHOR.
– Então e de lado? - Perguntou Moisés.
– De lado? - O SENHOR pareceu confuso e, achando que valia a pena pensar no assunto, ordenou a Moisés que parasse com a picareta durante uns minutos, que não conseguia concentrar-se com tanto barulho.
Moisés tirou o lenço duma prega da túnica e aproveitou para limpar o suor da testa.
– Eu estou em todo o lado, Moisés, por isso todos estão sempre diante de mim. - Concluiu por fim o SENHOR, satisfeito.
– Ah. - Moisés pareceu concordar. – Mas não ficava melhor “Não terás outro deus além de mim.”? - Insistiu.
– Olha, Moisés. - Encavalitou-se o SENHOR. – Não sei o que é que pretendes, mas desconfio que me queres enganar. Escreve mas é como te disse e não te ponhas para aí com ideias.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Êxodo 20: 1-2 – Catástrofe vulcânica

A meio da encosta, o povo voltou a descer porque o monte tinha começado a deitar uma baba espessa, escura por fora e laranja incandescente por dentro, que lhes magoava os pés, chegando mesmo, em alguns casos, a desfazê-los.

Os que ficaram sem pés não conseguiram descer, só os outros. Os que ficaram só com um pé desceram ao pé-coxinho, expressão inventada por essa ocasião. Moisés estava entre os que escaparam com os dois pés ilesos porque era descendente de Adão e o SENHOR sempre teve preferência pelos descendentes de Adão.

– Calem-se! Deus também é esta mistela que vos queima os pés. E agora vai falar. - Disse o monte.

O povo, os sacerdotes e Moisés tinham descido e olhavam aterrorizados para a fúria do SENHOR.

O SENHOR, com afectação reaccionária, ignorou o povo e os sacerdotes e, dirigindo-se apenas a Moisés, deu-lhe um enorme sermão sobre ser o seu deus, o único. E ditou-lhe os dez mandamentos.

As condições sonoras na base de um vulcão em erupção não são as melhores, havendo até muitos casos relatados de surdez temporária de pessoas que são submetidas a tais fúrias da natureza, mas Moisés era tão especial que ouviu distintamente a voz do SENHOR no meio da confusão e, pondo-se de joelhos, teve presença de espírito para escrever o que ouvia.

Outros ao seu lado não tiveram a mesma sorte, embora tivessem pedra. Do seu sacrifício nasceu o fabuloso bife na pedra. Mal passado.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Êxodo 19: 16-25 - No alto daquela serra/ Plantei uma roseira/ O mato no cume cresce/ A rosa no cume cheira

Ao terceiro dia de manhã havia sobre o monte uma nuvem escura e ouviu-se um zunido suspeito seguido de um grande estrondo, que fez tremer as imediações, provocando a queda das lâmpadas coloridas do arraial.

O povo, assustado e com cortes ligeiros aqui e ali, parou de dançar.
– Acabou-se a papa doce. - Disse Moisés. – Vamos mas é à farmácia buscar comprimidos de carvão vegetal para o monte, que bem precisa.

E lá foram à farmácia, onde não puderam entrar todos, mas só os dois que cheiravam menos mal e que exibiram ao funcionário uma lasquinha de pedra onde Moisés tinha escrito o nome do medicamento.

O monte jurou mais tarde, porém, não precisar de comprimidos, explicando que os acontecimentos daquela manhã tinham sido provocados pelo SENHOR, que ali tinha descido em fogo, fumo e fornalha, tudo fazendo tremer grandemente.

– Ah, o SENHOR está aí? - Moisés, que gostava de sarças ardentes, entusiasmou-se e, percebendo que o SENHOR estava no cume do monte, correu logo para lá.

Não viu o SENHOR imediatamente, nem viu nenhuma sarça ardente, e é um mistério o que terá feito entre o momento em que chegou ao cume do monte e o momento em que falou com deus, 1 hora e 40 minutos depois.

De geração em geração passou a convicção de que Moisés terá estado entretido a escrever o poema do cume, mas também há famílias que juram tratar-se de lenda urbana. Estamos com estas últimas porque a) escrever um poema na pedra demoraria muito mais do que 1 hora e 40 minutos e b) aceitar Moisés como autor do poema do cume seria implicar, por arrasto mas inevitavelmente, que tivesse ascedência portuguesa…

– Desce e manda que o povo e os sacerdotes me venham visitar ou lançar-me-ei sobre eles. – Disse deus a Moisés, quando se encontraram.
– Mas antes não tinhas dito que o povo devia ficar em volta do monte Sinai, SENHOR?
– Sim, mas agora estou a dizer outra coisa.

Moisés desceu e disse ao povo que o SENHOR estava na última: – Já não sabe o que diz, o que quer. Continua com mau feitio. Quer que subam.

E o povo subiu.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Êxodo: 19 (7-15) - Subir, descer, subir, descer...

E Moisés voltou a descer o monte não sem antes parar para se aliviar porque nesse dia ainda não tinha apascentado nem a sua bexiga nem os seus intestinos. Já muito mais leve, chamou os anciãos e transmitiu-lhes as palavras do SENHOR.

O povo respondeu a uma só voz porque, verdade seja dita, só um ancião compareceu.
- Tudo o que o SENHOR ordenar nós faremos! - e, baixinho sem Moisés ouvir - E que remédio temos nós, se não queremos levar com uma praga, um trovão ou um dilúvio...

E Moisés voltou a subir o monte e transmitiu as palavras do povo ao SENHOR.
- Eis que me virei a ti numa nuvem espessa para que o povo creia.
- Numa nuvem, SENHOR? Mas vai chover?
- Vai e aguardai pelo terceiro dia. Nesse dia lavareis as roupas porque irei surgir perante todo o povo aqui neste mesmo monte onde darei um espectáculo de variedades envolvendo gafanhotos, anjos violentos e ovelhas.

Moisés começou a descer o monte. Mas, ouvindo a voz do SENHOR, voltou atrás.
- Mas atenção, Moisés! Põe uma vedação que não quero aquelas miúdas histéricas a tocarem-me nas divinas partes. Todos os que tocarem no monte morrerão. Só podem subir quando eu disser.

E Moisés desceu para junto do povo e o santificou e o mandou lavarem as roupas e porem-se bonitos para o SENHOR.
- E nada de vos chegardes a mulher! - acrescentou de sua lábia lembrando-se que tinham acabado de lavar as roupas.

E ao terceiro dia houve trovões e relâmpagos, que acordaram toda a gente. Uma forte e prolongada buzina fez estremecer pessoas e animais. O SENHOR tinha chegado.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Êxodo: 19 (1-6) - Dois senhores singulares

Moisés e a pandilha chegaram a Sinai, onde acamparam.
O SENHOR estava sossegadito no monte até que chamou o seu querido comparsa. Moisés arregaçou a calça e subiu o monte.
- Listen to this very carefully, i shall say this only once: vai à casa de Jacó e diz a todos os filhos de Israel: vós me sereis um reino sacerdotal e o povo santo. 'Tá bem?
- Outra vez, SENHOR?
- Listen to this very carefully, i shall say this only once: vai à casa de Jacó e diz a todos os filhos de Israel: vós me sereis um reino sacerdotal e o povo santo. 'Tá bem?
- Não é isso. Outra vez, isto é, já lhes dissemos isso uma porra de vezes. Parece-me que poderemos, com tanta repetição, propiciar o efeito contrário, ou seja, o que é demais enjoa. Poderão até, quem sabe, vacilar.
- Eu é que sei. Se queres que te diga, até acho que quando enjoa é que começa a ser interessante. Vá vá, não tenho o dia todo.

Êxodo: 18 - O aparecimento e participação do sogro

Parece que Moisés tinha um sogro chamado Jetro, a quem contou toda a maravilha que Deus havia feito por si e pelo seu povo. Jetro achou muito bem, e aconselhou Moisés a não arcar sozinho com a tremenda trabalheira que daria levar por aí as causas de Deus.

"Sê tu pelo povo diante de Deus, e leva tu as causas a Deus;
E declara-lhes os estatutos e as leis, e faze-lhes saber o caminho em que devem andar, e a obra que devem fazer.
E tu dentre todo o povo procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que odeiem a avareza; e põe-nos sobre eles por maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinquenta, e maiorais de dez."

Jetro era, portanto, pró-hierarquia bem estruturada. O que não desagradou a Moisés, que acartou a sugestão. Jetro foi então à sua vida.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Quiz Show

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Êxodo: 17 - A vara de Deus

Moisés e a cambada lá seguiram as suas jornadas pelo deserto de Sim, tendo ido acampar a Refidim, que fica logo como quem vai para Covas de Coina, mas vira antes à direita.
Viram uma miragem da Fátima Lopes do Surprise Show que lhes cantou: "Não há água para beber!". O povo rebelou-se contra Moisés, que suspeitou vir a ser apedrejado não tardaria.
- Pois e agora, ó SENHOR?
- Passa diante do povo, e toma contigo alguns dos anciãos de Israel; e toma na tua mão a tua vara, com que feriste o rio, e vai. Eis que eu estarei ali diante de ti sobre a rocha, em Horebe, e tu ferirás a rocha, e dela sairão águas e o povo beberá. E Moisés assim o fez, diante dos olhos dos anciãos de Israel.
Fátima Lopes tornou a aparecer-lhes, perguntando-lhes alegre, "Está o SENHOR no meio de nós, ou não?"

Às tantas veio Amaleque que entrou em peleja com Israel, pelo que Moisés mandou Josué pelejar com quantos moçoilos capazes tivesse entre si. Disse mais:
- Amanhã eu estarei sobre o cume do outeiro, e a vara de Deus estará na minha mão.
- Porca! - Indignou-se Josué.
Foi um rodopio de tarde: Moisés no seu outeiro, assim que levantava a mão, prevalecia Israel, quando a baixava, era Amaleque quem tomava as rédeas da peleja. Divertido, foi brincando com um arcaico "yo-yo", até se fartar e permitir que Josué e seus compadres dessem por finda a tarefa de exterminar o pessoal de Amaleque.
Edificou então um altar ao qual chamou "O SENHOR é a minha bandeira", pensando no tempo passado com a Sua vara na mão.

sábado, 3 de abril de 2010

Êxodo 16: O pão que Deus amassou

A congregação dos filhos de Israel partiu de Elim e foi parar ao deserto de Sim, onde se encontravam montadas as barracas e tendas do circo Plim. Mas depois perceberam que era uma miragem.
Foram desfrutando da paisagem até que os estômagos começaram a roncar. Praguejaram contra o SENHOR, o que muito desaustinou Moisés, vendo-se forçado a pedir nova graça a Deus. Este, por sua vez, não se fez esperar, e sob uma chuva de ameaças e pão, cobriu a terra.
"Ouvi as vossas intriguinhas e não fiquei satisfeito. Colham então estes panitos, que vos saberá a broa de mel, durante quarenta anos. Aos sextos dias apanhem o dobro porque nos sétimos não os envio."

Foto de grupo das funcionárias da Heaven's Bakery, muitos A.C.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Êxodo 15: Chegada a Elim

Moisés, contente da vida pela graça do SENHOR, iniciou longo trauteio tirolês em sua honra.
"Obla di, obla da, o SENHOR é homem de guerra! Obla di, obla da, o SENHOR é o seu nome!
A tua destra, ó SENHOR, se tem glorificado em poder, a tua destra, ó SENHOR, tem despedaçado o inimigo! E com a grandeza da tua excelência derrubaste aos que se levantaram contra ti; enviaste o teu furor, que os consumiu como o restolho!"
Os povos o ouviram, eles estremeceram, uma dor apoderou-se dos habitantes da Filistia. Os vizinhos mais próximos acorreram às varandas e gritaram em uníssono - "Pára lá com a chiadeira, ó Moisés!"

"Dói-me os ouvidos", queixou-se um petiz à mãe, enrolado em seu colo. A matriarca retorquiu: "Diz-se tímpanos Tomás, tímpanos!", e continuou, "Se não aprendes rápido não acabas a tese nem vais às Olímpiadas da Matemática", o petiz fungou e balbuciou "Isso quer dizer que não conseguirei uma medalha e um sorriso amarelo da Ministra Isabel?"

Moisés continuou, esperançado de conseguir lugar numa audição para o novo do La Féria:
"O SENHOR reinará eterna e perpetuamente."

Depois, o visionário e o seu bando à parte saíram do Mar Vermelho e andaram três dias no deserto de Sur. Como era deserto não havia água. Apenas muita alegria e de quando a quando, um reactor nuclear iraniano.
Então chegaram a Mara, mas não puderam beber das águas de Mara, porque eram amargas e não lhes satisfaziam o desejo de requinte. Por isso chamou-se o lugar Mara. Tomara ficava logo a dois quilómetros, onde o SENHOR lhes mostrou uma árvore, que lançou nas águas e as tornou doces. "Ai, Tomara ser sempre assim" - disse Moisés desprovido de alguns neurónios por insolações graves.

Deus ali mesmo lhes deu estatutos e uma ordenança, e ali os provou. "É que é já aqui e agora! Vá, um de cada vez!!". Pensou "Sinto-me quase Calígula".
E disse mais ainda: "Se ouvires atento a voz do SENHOR teu Deus, e fizeres o que é recto diante de seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egipto; porque eu sou o SENHOR que te sara."
Então vieram a Elim, e havia ali doze fontes de água e setenta palmeiras; e ali se acamparam junto das águas. Resolveram fazer o que é recto diante de seus olhos e inclinar-se um bocado, através de simbólicas bricolage e jardinagem, numas indumentárias de padres dos anos 60.

Moisés no jardim; Elim, muitos muitos A.C.

segunda-feira, 15 de março de 2010

a minha palavra #12

entretenimento divino: pintar ovelhas.



segunda-feira, 1 de março de 2010

Êxodo 14: O truque do mar

O SENHOR continuou a dar instruções contraditórias a Moisés, sobre como ajudaria os filhos de Israel a libertarem-se do faraó enquanto, ao mesmo tempo, endureceria o coração do faraó para dificultar a mesma libertação.

Durante a fuga do Egipto, digno de nota é o acampamento dos filhos de Israel em Pi-Hairote, por questões de simpatia fonética: Pi-Hairote rima com piparote.

Ora, o faraó (de coração endurecido pelo SENHOR) perseguia os filhos de Israel e aproximava-se muito, de forma que estes, amedrontados, clamaram ao SENHOR:

– Como é que se chama o SENHOR? – Perguntou um filho de Israel, a acenar às nuvens com os olhos postos no céu.
– Aparece quando lhe dá na telha, mas…
– Dou-lhe uma telha ou dou-lhe com uma telha? – Quis saber o primeiro, que era um bocado surdo e só fixava as últimas palavras das frases.
– Não. O SENHOR aparece quando quer, normalmente a meio da noite, quando estamos com roupa imprópria e profundamente adormecidos.
– Como os sonhos? – Disse um terceiro, desconfiado.
– Não vás por aí! – Ameaçou o segundo, abrindo muito os olhos.
– Por onde? – Perguntou o primeiro.

Continuaram nisto até que o SENHOR decidiu aparecer a Moisés:
– Por que é que pararam de fugir e correm em círculos, como baratas tontas? – Perguntou o SENHOR a Moisés, franzindo o nariz e apontando para os filhos de Israel. – Diz-lhes que continuem a marchar. Quando chegarem ao mar, levanta a tua vara, estende a tua mão sobre o mar e fende-o, para que os filhos de Israel passem pelo meio do mar em seco.

Assim aconteceu, tendo Moisés aberto o mar para os filhos de Israel passarem, fechando-o logo a seguir, quando o faraó, todos os cavalos do faraó, os seus carros e os seus cavaleiros se encontravam no meio do mar.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Êxodo 13: 9-22 - Os machos são meus.

- E que a minha lei esteja em tua boca porque eu tirei-te do Egipto, rapaz.

Moisés, que já dormiscava, sobressaltou-se. Tentando manter os olhos abertos prestou atenção à voz monocórdica do SENHOR pensado quanto encanto ELE tinha perdido desde que era um arbusto em chamas. Os arbustos em chamas, pelo menos, eram divertidos.

- E tudo o que a madre abrir e todos os primogénitos dos animais serão MEUS! E os machos serão todos MEUS! GOSTO DE MACHOS!
- SENHOR... ? - Moisés piscou os olhos várias vezes, mas o SENHOR não se deixou intimidar.
- Mas resgatarás todo os primogénitos da jumenta com um cordeiro. E se não os resgatares, cortas-lhes as cabeças. Mas as cabeças dos primogénitos não cortas, mas resgatarás.

Moisés achou que o SENHOR estava a ir longe demais.

- É provável que um dos teus filhos te pergunte um dia "Mas que merda é esta?!".
- Achas, SENHOR... ?
- MOISÉS, NÃO APRECIO SARCASMO! Lembra-te que te apalpei, quero dizer, resgatei com MÃO FORTE do Egipto! COM MÃO FORTE, Moisés!
- Mas SENHOR, eu fiz quase tudo... tu até parece que estavas contra, sempre com a história de endurecer o coração e mais não sei quê...
- Olha lá, Moisés, cheguei a contar-te que matei os primogénitos todos do Egipto? Bois, cavalos, porcos, pessoas...
- O quê?! Mas que raio, SENHOR? Isso foi ir longe de...
- CONSIGO TRANSFORMAR-ME EM COLUNA DE FOGO! Olha eu a transformar-me!

E o SENHOR transformou-se numa coluna de nuvem durante o dia, provocando uma ventania brutal que encheu toda a gente de areia, e em coluna de fogo durante a noite, iluminando-os e não deixando ninguém dormir.

O SENHOR era um espectáculo.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

a minha palavra #11


gosto que me digaõ:

Cria e creio em tudo o que crê e manda querer a Santa Igreija Catholica Romana.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Êxodo 13: 1-8 - Abibe: vinhaça e fartura

- Ó Moisés, chega-te cá. - Falou o SENHOR.
Moisés esticou-se nos bicos dos pés ao céu.
-Santifica-me todo o primogénito, rapaz, o "que abrir toda a madre entre os filhos de Israel" (sic).
- Abrir, SENHOR? Estrear??
- Sim, sei lá, rasgar. Faz isso, porque meu é.
E Moisés deu uns passinhos até ao povo, pegou no megafone e disse:
- Lembrai-vos deste mesmo dia, em que saístes do Egipto, da casa de servidão, pois com mão forte o SENHOR vos tirou de lá. Portanto não comereis pão levedado. E FARTURAS SÓ AO PEQUENO-ALMOÇO!! Hoje, no mês de Abibe, vós saís.

Moisés, continuou, entusiasmado:
- "E acontecerá que, quando o SENHOR te houver introduzido na terra dos cananeus, e dos heteus, e dos amorreus, e dos heveus, e dos jebuseus, a qual jurou a teus pais que te daria, terra que mana leite e mel, guardarás este culto neste mês" (sic). Durante sete dias comerás rojões à moda do Porto e ao sétimo dia haverá uma festarola, com binhaça com fartura. Poderás molhar a fartura na binhaça ou comê-la "au naturel".

- E contarás esta história a teu filho, neto, bisneto, e se quiserdes, à sogra, que isto é pelo que o SENHOR nos tem feito.

(Um abibe, símbolo do mês de culto)

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Êxodo 12: 37-51 - Indo eu, indo eu a caminho de Sucote

Sucote, 1200 e tal a.C.

Cerca de 430 anos depois da sua chegada, os filhos de Israel abandonaram o Egipto, expulsos pelo Faraó, sob acusação de crimes de terrorismo e sedição. Fontes do Sindicato dos Circuncidados indicam que seriam cerca de 600 mil homens e 2 mulheres os expatriados, que se fizeram acompanhar de ovelhas e bois, provocando grande congestionamento nas vias de acesso ao Egipto. Este número foi contestado pelo Governo, cujo cálculo indica que os criminosos não ultrapassaram os 6 indivíduos, mais 2 mulheres, e que pareciam ser mais porque andavam em constante movimento para trás e para a frente, confundindo os fiscais.

Esta deportação em massa deve-se ao cabecilha identificado como SENHOR, cujas acções terroristas incluíram armas de destruição maciça, e à sua acção de sublevação cujo resultado foi o esgotamento da paciência dos egípcios. Coitados.

O SENHOR foi já identificado como o autor de diversos crimes contra a Humanidade, desde genocídio à destruição completa de cidades e extermínio de milhares de espécies animais, mas até agora não foi possível localizá-lo nem muito menos capturá-lo.

Os Filhos de Israel são seita religiosa pagã cuja iniciação inclui a circuncisão e o consumo de substâncias alucinogénas e cujos membros são dotados de um fanatismo implacável e obediência cega aos seus líderes que, segundo os próprios, agem como a voz do SENHOR, Presidente da seita.

Não se sabe se o SENHOR é uma figura real ou se um ícone/ardil e uma forma de controlar os Filhos de Israel. As constantes gravações que supostamente faz revelam que, a ser real, habita numa caverna, num arbusto ou num sítio muito alto.

Não é recomendável que pernoitem junto de Filhos de Israel pois serão de certeza circuncidados.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Êxodo 8: 25-32 a 12: 1-36 – Até quando recusarás humilhar-te diante de mim?

Aflito, o faraó prometeu que deixaria ir os filhos de Israel e, em contrapartida, Moisés prometeu que as moscas desapareceriam. Quando se viu livre das moscas, o SENHOR endureceu o coração do faraó para que não deixasse ir o povo. E assim foi.

Então o SENHOR mandou Moisés dizer ao faraó que, se não deixasse ir o povo de Israel, faria cair uma grande pestilência sobre o gado dos egípcios. E assim foi e só o gado dos egípcios morreu, escapando o gado dos filhos de Israel à pestilência.

A seguir, a mando do SENHOR, Moisés e Arão espalharam cinza diante dos olhos do faraó e a cinza transformou-se em sarna e houve sarna em todos os egípcios, até nos magos, e no gado dos egípcios que tinha sobrevivido.

E o SENHOR mandou Moisés ameaçar o faraó com as pragas todas juntas, mas depois decidiu que ainda havia tempo para uma chuva de fogo e granizo que mataria todo aquele sobre o qual caísse, e mandou Moisés estender a vara para que começasse a chuva. E choveu por todo o Egipto, excepto onde estavam os filhos de Israel. E o faraó prometeu que, se a chuva parasse, deixaria ir os filhos de Israel, e quando a chuva parou manteve-os cativos.

E Moisés ia e vinha com ameaças sobre diversas pragas, chuvas nefastas, doenças, gafanhotos e “trevas que se apalpem” (sic), e o faraó implorava perdão enquanto duravam as agressões, prometendo liberdade aos filhos de Israel mas, mal as agressões cessavam, logo o SENHOR lhe endurecia o coração e ele voltava a manter cativos os filhos de Israel.

Um dia, quando Moisés chegou à presença do faraó, este pôs um chapéu e começou a dançar e a cantar, perguntando-lhe porque o magoava tanto.



Finda a performance, o faraó expulsou Moisés da sua vista, dizendo-lhe:
– No dia em que vires o meu rosto, morrerás.

O SENHOR continuou a ordenar magias a Moisés e Arão, e mandou matar todos os primogénitos dos egípcios, poupando os primogénitos dos israelitas, para que se soubesse que fazia diferença entre uns e outros:
– PORQUE EU SOU O SENHOR.

E mandou que os filhos de Israel comessem cordeiro e assinalassem as respectivas casas com o seu sangue, para que nas suas casas não houvesse mortandade, mas apenas nas dos egípcios.

A bíblia chama a isto, literalmente, “maravilha”.

Quando não havia casa no Egipto em que não houvesse um morto, o faraó mandou chamar Moisés e Arão e disse-lhes que podiam ir.

E os filhos de Israel foram, e enquanto iam o SENHOR fez com que os egípcios lhes achassem graça e lhes dessem jóias de prata e de ouro e roupas, e os egípcios foram despojados de tudo o que tinham [e aqui está uma forma bonita de narrar um saque].

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

qual diabo qual carapuça



O mal do mundo são os pós-modernistas.


terça-feira, 2 de fevereiro de 2010