quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Génesis 15: 1-18 - O SENHOR dá filhos a Abrão

O SENHOR encostou-se a Abrão e disse:

- Não temas, Abrão, que sou o teu escudo e o teu grandessíssimo garanhão.

O coração de Abrão acelerou, sentiu calor e um aperto no peito. Brincando com o cabelo e evitando o olhar do SENHOR, Abrão respondeu:

- Sr. DEUS, que hei-de fazer, que ando sem filhos, e o mordomo da minha casa é Eliézer, que é um homem e feio para caramba?

E Abrão continuou, fazendo no chão semi-círculos com a pontinha do pé.

- Prometeste-me que teríamos filhos mas até hoje filhos não me deste. E eis que há este catraio que será o meu herdeiro porque nasceu na minha casa e todos os que nascem na minha casa meus herdeiros são. Tenho tido sorte em correr com alguns mas outros são mais matreiros e entram à socapa.
- Esse não será o teu herdeiro, Abrão - falou o SENHOR, sacudindo o cabelo - mas sê-lo-à aquele que das tuas entranhas sair.

E pegando na mão de Abrão, envolveu-o pela cintura e foram olhar o céu.

- Conta as estrelas, se conseguires. Assim será a tua descendência.
- E todos sairão das minhas entranhas, Senhor? - interrogou Abrão, grato pelo elogio da virilidade mas receoso pelas suas entranhas.

O SENHOR ignorou Abrão, pareceu estar ausente por momentos, e retomou a conversa de uma maneira perfeitamente lógica:

- Eu sou o SENHOR! e, mais baixo e sussurrando - Eu sou o SENHOR... Eu sou o SENHOR que te quer... e que te tirei de Ur dos Caldeus para te dar a ti esta terra para que a herdes e a dês a herdar.
- Mas não tenho filhos, SENHOR!
- Olha, Abrão, tenho fome que hoje ainda não comi nada. Traz-me uma bezerra de três anos e uma cabra de três anos e um carneiro de três anos e uma rola e um pombinho e um bom vinho de 3 anos.

Abrão, espantando com o apetite voraz do SENHOR, que só costumava comer um cabrito e uma bezerra, ao SENHOR trouxe o que este pedira e a este ofereceu a carne já preparadinha, excepto as aves que guardou para ele. E sempre que as moscas desciam, Abrão as enxotava para que o SENHOR não fosse perturbado.

E fez noite.

Limpando os beiços, o SENHOR voltou a falar:

- Epá, não sei se já te disse mas os teus netos são ser todos escravizados durante uns 400 anos ou isso. Ainda não decidi. Mas não te preocupes que tenho tudo sob controlo e vou lançar uma praga, ou isso, sobre os criminosos. Se tiver tempo. Tu, pá, morrerás velho e serás enterrado já morto. Tudo numa boa.

E o SENHOR levantou-se e o Sol pôs-se. E o SENHOR, por o Sol estar posto, fez descer escuridão sobre as terras para impressionar Abrão com um truque de magia:

- Da tua descendência serão estas terras, Abrão. - disse o SENHOR iluminando tudo com uma torcha divina e provocando inúmeros incêndios - Desde aqui até ao rio Eufrates.

3 comentários:

camponesa pragmática disse...

"fazendo no chão semi-círculos com a pontinha do pé" AHAHHAHAHAHAHAHA

Amigo, tens O DOM de criar imbecis >B)§

"falou o SENHOR, sacudindo o cabelo"

LOOOOL

carlopod disse...

"Epá, não sei se já te disse mas os teus netos são ser todos escravizados durante uns 400 anos ou isso" :-)))))

dcc disse...

"Tu, pá, morrerás velho e serás enterrado já morto. Tudo numa boa."
B)